[im] permanência;

30.1.12
E quando a permanência não for possível, eu quero que resgate os sons, as palavras, as fricções de pele, os sorrisos de alma. Que reconstrua meus telefonemas nas manhãs de inverno, redesenhe meu rosto em tons de rosa.
E quando a permanência não for possível, eu permanecerei na ausência ainda assim.
*Imagem: Weheartit

4 comentários:

  1. Quanta delicadeza e doçura em tão poucas palavras. Adorei!
    Bjos,
    Taís
    amornosingular.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Primeiro: amei o nome do seu blog "Novembros". É o meu mês preferido, todos os anos o meu novembro é cheio de intensidade. Adorei suas palavras iniciais.

    Boa sorte pra vc, flor. E lindos novembros pra vc.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Ahh, essa permanente mudança de impermanecer no tempo, nos vãos que os segundos se instalam entre os abraços, tantas vezes amarelados e pendurados nos cílios, cpontornando a memória do que restou, do que passou... mas que permanece, principalmente por dentro.

    Meu beijo

    Sam

    http://apoesiadocotidiano.blogspot.com

    ResponderExcluir

recentes antigos Página inicial