Tinha te escrito um bilhete num papel amassado. Antigo. Mas você não soube ler  letras rosas naquele relevo rústico, seco, nada doce. E eu, eu tinha dito que a tua estratégia de conquista é falida, flácida, falha. Ela quase nunca funciona. Ela não fura bloqueios.  Não estremece mulher feita que nem eu.

Estava com raiva de mim, porque tudo aquilo era um doce engano. Dias depois das tuas insistentes investidas  já te via com outros olhos,  já me atraía por teus braços,  já interrompia meus raciocínios quando ouvia tua voz.

Desprotegida de tudo.

Engraçado é que você é exatamente o que não sonhei pra mim.
No fundo no fundo, eu já sabia que a tua vinda era feita de uma despedida implícita, intacta e conivente.

É verdade, não gastei preces para que algo ou alguém me livrasse da tua rede de renda. Tuas estratégias são de papel. Minhas estruturas falharam.

Aonde vamos agora, que já demos as mãos?




*Imagem: Weheartit



4 Comentários

  1. Bom Dia Erica, nada como começar o dia lendo vc.
    Adorei.Beijokas

    Hanna Brescia

    ResponderExcluir
  2. adorei, belas palavras (:
    estou seguindo!

    ResponderExcluir
  3. Sensacional.

    Uma estratégia de papel, se feita junto a palavras bem formadas, fura qualquer bloqueio.

    =]

    ResponderExcluir