É difícil mensurar uma pessoa, um encontro, um abraço, um traço ou uma voz, quando o conjunto todo é especial. Nestas ocasiões, caber é relativo: cabemos neste abraço, mas não, numa explicação qualquer. Não desbotamos, não esfriamos e não saímos de moda no verão, apesar do outono-inverno nos brindar de encantos maiores, casacos de braços e vidros fechados na estrada.

Você pra mim, é espiríto: tem olhos que não me poupam da verdade, sorrisos que insistem em brilhar quando me vêem.

É espiritual.
Qualquer coisa do mundo visível fica pequena quando falamos de nós.


Para Guilherme Souza de Paula


*Imagem: Weheartit

7 Comentários

  1. Queria pode escrever um poema de amor..
    Bonito.
    Bjos

    ResponderExcluir
  2. Certa vez tive que explicar conversibilidade e reversibilidade. Tive que mencionar sentimentos. tive que falar de alma e sentimentos. A alma não é conversível à moeda material, às coisas materiais. E quem ama nunca mais poderá ser revertido ao estado de não amar. Teu texto trata dessas coisas com incrível poesia. Você sempre escreveu incrivelmente bem.

    ResponderExcluir
  3. Angelo,

    Obrigada por tamanho carinho. Seja bem vindo sempre. Vc tem blog?

    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Bem, Érica, sou novo em blogues, e não sei muita coisa. Parece-me que a forma como entra meu comentário não mostra para o dono do blog quem sou eu. Mas meu blog é o pequenasinocencias, o que tem o menininho digitando, seu último seguidor.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  6. A isso chamamos de entrega!

    Beijo

    ResponderExcluir