Esse é o problema: não gosto de esperas. Não sei lidar com elas. Sou até um tanto mal educada quando batem à minha porta: não ofereço café,  ocupo os sofás e fecho as janelas.  Não são coloridas. Amanhecem em preto e branco. Não dão vida e não reluzem. Desbotam olhares azuis. Corroem. Corrompem.

(Esperas.
                   Esperas.
                                     Esperas.)

                                                     Desertos, enfeitados de poesia.



*Imagem: Weheartit

Um Comentário

  1. O pensamento é maravilhoso (embora um tanto injusto com as esperas, eu diria! rs)Oh, elas são assim mesmo, nada coloridas, bem pretas-e-brancas. Mas... É nesse deserto enfeitado de poesia (que expressão maravilhosa criaste!) que nossos sonhos tomam os pincéis e colorem nossas esperanças. Enquanto esperamos, quantos sonhos não temos. Ah, sim, é verdade, a realidade será melhor aproveitada que os sonhos. Mas como eles inundam nossa vida de expectativa, e como a expectativa é emocionante. Gosto demais do que se expressa aqui. São pensamentos fantásticos. Um abraço

    ResponderExcluir