Para Guilherme de Paula.

E quantas são as partes do amor?

Muitas, infinitas, feitas de ar, de suspiros e de igualdade nenhuma. No amor, cada dia é diferente. E cada diferença, enriquece e apavora.

Números são símbolos, somente.

Reconhecimento sabe? Olho pra ti e me vejo.
Paciência, ainda que a impaciência ande de mãos dadas com ela.
Fortaleza, sim. Ser abrigo, ser casa e ser lar, é a última moda por aqui.
Adivinhações e suas muitas faces. Essa coisa de antecipar meus pensamentos.
Que outro sabe?
Literaturas de abraçar. Que outra coisa cura?
Havaianas nos pés, molequice de boneca, risadas de quarto e corredor.
Olhos que acolhem tudo: corpo, alma, caprichos e rabiscos em papéis coloridos.
Corpo que muda: química, paz e a velhice que nos espera.
Um tanto de tudo e tantos pedaços de mundo: onde existem bordas, não cabem braços abertos pro mar.

Abracemos o mar então.


*Imagem: Weheartit

Deixe um comentário