Você sabe:

Paris. Uma saudade absurda. Cadernos cheios. Rascunhos. Canetas vazias. Cartas e confissões pintadas em vermelho e rosa.
Abracadabra. Mágica. Você novamente. incensos. Ventos que te celebram à meia-noite, na minha sala desconcertada, desabitada de música.

Você conhece:

Este quarto. Este corpo. Esta cena que se repete. Pijamas. Desenhos. Fotos para revelar na máquina digital. Proteção de tela. Descortinamento de coração. Mente sã. Espírito viajando estrelas.

Você volta:

Eu rasgo as rosas porque perfeição nunca me encantou.  O que desabou ressurge mais belo, de cabelo escovado, bolsa de mão e blusa vermelha.

Respirando meus significados. Me aceitando desigual, plural e singular, quando preciso.

Acendendo meus sóis guardados.


*Imagem: Weheartit


Deixe um comentário