a anulação consentida;

. 3.3.14 .




Tenho amigas que são mães. Tenho mães que são amigas. Conheço mães anuladas, afundadas no ofício e esquecidas das mulherzices, da feminilidade e da sexualidade.

Não concordo. Não concordo que você tenha de ser mãe e esquecer de ser, de sentir,  fechar o mundo, a redoma em torno de uma criança, ainda que seja seu filho.

A palavra de ordem, suponho, teria de ser conciliar.  Acho que a nossa multiplicidade nos permite. Ser mãe, mulher, flor, espinho e tantas outras que carregamos.

Antes que me crucifiquem, danifiquem, julguem, esclareço: eu desejo ser mãe. Tenho tentado. Imaginado. Venho tecendo cenas.
Mas não quero deixar de ser. De sentir, de existir na essência.

Uma parte de nós deve ser mãe. A outra, não pode deixar de ser mulher. 



*Imagem: Pinterest




Tenho amigas que são mães. Tenho mães que são amigas. Conheço mães anuladas, afundadas no ofício e esquecidas das mulherzices, da feminilidade e da sexualidade.

Não concordo. Não concordo que você tenha de ser mãe e esquecer de ser, de sentir,  fechar o mundo, a redoma em torno de uma criança, ainda que seja seu filho.

A palavra de ordem, suponho, teria de ser conciliar.  Acho que a nossa multiplicidade nos permite. Ser mãe, mulher, flor, espinho e tantas outras que carregamos.

Antes que me crucifiquem, danifiquem, julguem, esclareço: eu desejo ser mãe. Tenho tentado. Imaginado. Venho tecendo cenas.
Mas não quero deixar de ser. De sentir, de existir na essência.

Uma parte de nós deve ser mãe. A outra, não pode deixar de ser mulher. 



*Imagem: Pinterest
recentes antigos Página inicial