recado;

. 18.11.14 .



Não seja arrogante. Pare de achar que está blindado para os afetos, para os encontros sem lei, para a formosura aparente, de afirmar que não pode ser mexido, que não pode ser embebido de desejo, de flor, de beijo, de casa e de corredor à espera de quatro pernas, oito passos, uma vida inteira de um segundo talvez.
Não se exclua. Somos íntimos de tudo, do verde, do musgo, da luz e do secreto.  Somos crias da entrega, do fulminante, do ofegante, dos sem defesas, das tendas, das lendas, dos burburinhos.
Não precisamos de amor, exatamente.
Não precisamos ter, literalmente.
Temos e somos vento quando é preciso, quando dá saudade, quando é tarde, e quando há vida.

Que seja nesta hora.

*Imagem



Não seja arrogante. Pare de achar que está blindado para os afetos, para os encontros sem lei, para a formosura aparente, de afirmar que não pode ser mexido, que não pode ser embebido de desejo, de flor, de beijo, de casa e de corredor à espera de quatro pernas, oito passos, uma vida inteira de um segundo talvez.
Não se exclua. Somos íntimos de tudo, do verde, do musgo, da luz e do secreto.  Somos crias da entrega, do fulminante, do ofegante, dos sem defesas, das tendas, das lendas, dos burburinhos.
Não precisamos de amor, exatamente.
Não precisamos ter, literalmente.
Temos e somos vento quando é preciso, quando dá saudade, quando é tarde, e quando há vida.

Que seja nesta hora.

*Imagem

Nenhum comentário

Postar um comentário

recentes antigos Página inicial