o precioso tempo meu;

26.3.15





Verdade, verdade é que não me separo de mim. Sou dessas que se escutam o tempo inteiro. E às vezes me falta ar, me falta fôlego para mensurar, eu abro meu diário mental e me registro.

Não posso deixar de me registrar, entende?

Eu vivo num turbilhão de emoções vinte quatro horas: filho, cachorro, marido, periquito e papagaio. 

O silêncio cai bem.

E nesse tempo que é meu, quem inspira é majestade, quem respira, quem sobrevive comigo, também.
Há poucos momentos na vida em que desacelero. Insisto na teoria de “me desertar”.

Flores precisam de novos solos pra nascer.

 
*Imagem: Weheartit

Nenhum comentário:

Postar um comentário

recentes antigos Página inicial