Desde que você se foi



Você foi embora e eu fiquei aqui, remexendo os discos, os armários, as gavetas. Remoendo até deixar de doer. Se é que vai deixar. Eu poderia acender um cigarro, mas estou acendendo esperanças. Quem sabe assim, o breu clareia. Você se foi e eu fiquei aqui, renovando os vestidos, trocando o batom, apagando as fogueiras. Teus sapatos ainda estão no corredor perto da porta.

Desde que você se foi, não sou mais “jantar a dois”. Desaprendi  de arrumar a mesa. Reencontrei o espelho, aprendi cicatrizes. Mudei a música das noites de sábado e escondi nossos Dvds preferidos. É justo.  Justiça na separação é ir sem manchas, reconstruir.  Eu sei bem.  Sair de salto alto de uma relação é para poucas. A maioria digladia, aborrece, rasga o verbo, perde a razão.

Não quero amizade. Não é pra mim. Mas você ainda será lembrado como a referência afetiva mais forte e mais bela.

Não há mais apartamento, janelas brancas, porta-retratos. Entreguei as chaves na imobiliária esta manhã. Os próximos a ocuparem o imóvel sentirão cheiro de amor. É teu passo que segue. É meu passo que procura morada nova. No ar, no mar, nos passarinhos, nas asas.

Deixei teus sapatos na portaria.

 A dor dissolve. A memória permanece. Nenhum futuro funciona como uma borracha mágica, por melhor que seja. Tô indo ali, me reencontrar.  Vou precisar ir ao fundo do poço e nos arrancar de uma vez da atualidade. Pôr um passado na etiqueta sabe?

Arquivado, aprendizado, olho borrado, fim.

*Imagem: Théo Gosselin 


1 Comentários

  1. Ninguém descreve o pior lado melhor que você. Esse lado de quem não queria que fosse o que foi é dolorido, embora talvez a dor dissolva, afinal. Mas você transforma isso em poesia. Gosto demais. Queria que alguém me lesse seus textos para eu adormecer pensando.

    ResponderExcluir

Contact Form (Do not remove it)

back to top