a carência é um trem desgovernado

15.10.16


Vamos falar de carência. Vamos falar de aceitar qualquer amigo, qualquer amor, qualquer tempo que sobra, qualquer lasca de carinho, qualquer migalha de atenção. Vamos falar de carência.

É preciso?
Sim, é preciso.

Tenho visto muita gente se perder por aí. Guiados pela carência, viver um amor meia boca e achar que está num conto de fadas. Ter um amigo meio amigo e confiar seu mundo a ele. Viver um relacionamento destroçado e achar que tudo tá lindo. A carência faz isso com as pessoas. Enxergam beleza onde não há.  Na maioria das vezes, não há troca, não há alicerce e principalmente, nada importa. 

Não queira isso pra sua vida.

É claro que nada precisa ser perfeito pra dar certo, que nem sempre o que é planejado se cumpre, mas se existe por aí  alguma coisa sem troca, seja ela um amor, uma amizade, um projeto, ele é inválido, sem valor. Ele não te acrescenta. E se não te acrescenta, que diferença pode ter que te faça dispensar tempo, sentimento, energia, vibração, olhares preciosos?

Não vale a pena se não for RECÍPROCO.

Já percebeu que a reciprocidade tem um brilho diferente? As pessoas que a desfrutam são visivelmente mais bonitas. 

Não deixe seu céu virar uma peneira furada. Não tome a carência como bússola. Não desperdice coração.


*Imagem: Théo Gosselin

Um comentário:

  1. Carência é uma par de óculos doido, que nos faz ver o que não está lá. É miragem do sedento no deserto. Nenhum relacionamento vai ser bom, na carência. Porque a entrega é total e a exigência é que a entrega do outro também seja. Grande texto, menina fera. Gosto demais. Beijo

    ResponderExcluir

recentes antigos Página inicial