07 de novembro

. 17.11.17 .

Leia ao Som de Genesis,  Hold on my heart .

Uma das certezas de todo dia 07 de novembro é que a Aline, minha amiga de anos a fio, vai me ligar. Tem sido assim por muito tempo. Não que a amizade se resuma a isso, é claro que não. Nos lembramos o tempo todo, durante todo ano. Mas em novembro, mês que nossas almas nasceram, a sintonia sofre um leve realce. Acho que conexão é isso.

Outra certeza é que provavelmente eu, Guilherme e Lennon iremos ao Outback, um de nossos restaurantes preferidos, do outro lado da ponte. No Plaza de Niterói. Nós temos uma história com o centro da cidade, o shopping e aquela vista linda da Baía de Guanabara. É coisa nossa.

Outras certezas vão chegando a cada ano e me convidam para um café, no sofá da sala de casa. Ousadas que são. A maturidade arranca parte da ansiedade, das expectativas irreais e do espírito louco das aventuras. Não que eu não tope sair pelo mundo, conhecer lugares novos, ousar experiências incríveis, entendem?  Mas já não troco paz e calmaria por qualquer furor. É a certeza de me amar muito, para me deixar em qualquer lugar, em qualquer dor, em qualquer tipo de amor.

Uma certeza que sempre foi certeza é que nem tudo se resume a uma atitude, pessoa ou intenção.  As certezas costumam pairar em músicas, cheiros, instantes. Entre o tempo e outro tempo. Pode soar metafórico, mas é real.

Quando eu abraço uma certeza, cresço olhos, coração, imensidão. Costumo sair dos bastidores.
Se eu ainda tenho dúvidas?  –Sempre as terei –

Mas alguns dias são vestidos de afirmações e nos compõe lindamente.  Já amanhecemos sabendo por onde tocarão nossos pés e passearão nossos olhares. E embora sejam cenas que se repitam, sempre terão um ar de primeira vez, de redescoberta , de cômodo novo.


*Imagem


Leia ao Som de Genesis,  Hold on my heart .

Uma das certezas de todo dia 07 de novembro é que a Aline, minha amiga de anos a fio, vai me ligar. Tem sido assim por muito tempo. Não que a amizade se resuma a isso, é claro que não. Nos lembramos o tempo todo, durante todo ano. Mas em novembro, mês que nossas almas nasceram, a sintonia sofre um leve realce. Acho que conexão é isso.

Outra certeza é que provavelmente eu, Guilherme e Lennon iremos ao Outback, um de nossos restaurantes preferidos, do outro lado da ponte. No Plaza de Niterói. Nós temos uma história com o centro da cidade, o shopping e aquela vista linda da Baía de Guanabara. É coisa nossa.

Outras certezas vão chegando a cada ano e me convidam para um café, no sofá da sala de casa. Ousadas que são. A maturidade arranca parte da ansiedade, das expectativas irreais e do espírito louco das aventuras. Não que eu não tope sair pelo mundo, conhecer lugares novos, ousar experiências incríveis, entendem?  Mas já não troco paz e calmaria por qualquer furor. É a certeza de me amar muito, para me deixar em qualquer lugar, em qualquer dor, em qualquer tipo de amor.

Uma certeza que sempre foi certeza é que nem tudo se resume a uma atitude, pessoa ou intenção.  As certezas costumam pairar em músicas, cheiros, instantes. Entre o tempo e outro tempo. Pode soar metafórico, mas é real.

Quando eu abraço uma certeza, cresço olhos, coração, imensidão. Costumo sair dos bastidores.
Se eu ainda tenho dúvidas?  –Sempre as terei –

Mas alguns dias são vestidos de afirmações e nos compõe lindamente.  Já amanhecemos sabendo por onde tocarão nossos pés e passearão nossos olhares. E embora sejam cenas que se repitam, sempre terão um ar de primeira vez, de redescoberta , de cômodo novo.


*Imagem

Nenhum comentário

Postar um comentário

recentes antigos Página inicial